Fradema dá dicas sobre a declaração do IR

Consultoria Tributária e Fiscal

Com a liberação do 4º lote de restituição, muitas dúvidas sobre a declaração do IR  vieram à tona. Confira as dicas da Fradema e saiba como se programar com antecedência para reduzir gastos ou aumentar restituição no próximo ano

Declaração do IR: Todos os anos, cerca de 30% dos declarantes caem na temida malha fina da Receita Federal por erros no preenchimento do formulário das despesas dedutíveis admitidas e muitos dos casos são por erros na digitação dos valores.

De acordo com Francisco Arrighi, diretor da Fradema Consultores Tributários, deixar para última hora a análise das despesas que serão inclusas na declaração já é uma constante dos brasileiros, porém, o profissional afirma: “Não é a melhor opção, além de aumentar consideravelmente os riscos de erros e a consequente inclusão na lista de verificação das inconsistências (malha fina) apuradas. É sempre melhor, além de mais prudente, preencher a declaração com antecedência, e sempre que possível com a assessoria de um profissional especializado que orientará o contribuinte de forma correta sobre o preenchimento do documento”.

declaracao do ir

E para quem usufruiu do aplicativo para a declaração do IR este ano, poderá ainda ter acesso aos dados do Rascunho da última declaração, através de uma palavra-chave (senha) criada pelo próprio usuário, e migrar estas informações inseridas anteriormente para a realização do Imposto de Renda do próximo ano.

Segundo ainda Arrighi, o contribuinte também tem a chance de, até 31 de dezembro, reduzir a mordida do Leão. O mesmo pode tanto aumentar o valor da restituição como pode reduzir o valor do Imposto de Renda a pagar, como por exemplo, antecipando as despesas consideradas dedutíveis que estão programadas para o início do ano, como gastos com profissionais da saúde (médicos, dentistas etc), antecipando eventuais cirurgias ou tratamentos odontológicos, ou ainda antecipar aquele check-up que inicialmente estava programado para o início do ano.

Outra alternativa é o contribuinte realizar até o último dia do ano um aporte em plano privado complementar, do tipo Gerador de Benefício Livre (PGBL), cuja legislação permite lançar como dedução o limite de até 12% da renda tributável.

Por fim, o profissional destaca também, a permissão legal de se fazer doações para Fundos dos Conselhos Municipais, Estaduais ou Nacional dos Direitos das Crianças e dos adolescentes, desde que estejam os declarantes munidos de documentos comprobatórios das doações, emitidos pelas entidades beneficentes e cujo valor não exceda o limite de 6% sobre o imposto devido.